A Vida na Cidade

Quem é você em 2019?

  • 0 Comment
  • 2 de janeiro de 2019

Um dos rituais mais tradicionais da virada do ano é o de fazer pedidos para o próximo ciclo. Mas além dos pedidos, é comum que façamos resoluções, focando nas pessoas que queremos nos tornar.

Promessas como perder peso, mudar hábitos prejudiciais e experimentar coisas novas são recorrentes em todos os anos. A ideia é sempre tornar-se uma versão melhor de si mesmo. Saúde física e mental são o foco das resoluções para um período que se inicia.

Fazer o bem e se sentir bem

Mas e quanto a resoluções que visam fazer bem ao outro? Será que ajudar alguém não é uma forma de cuidar da própria saúde mental? E se fosse possível ajudar a sociedade e, simultaneamente, já sentir os efeitos positivos na cabeça e no corpo?

Um dos principais motivos de estresse do brasileiro é o engarrafamento. Em grandes cidades, trabalhadores perdem, em média, 3,5 horas por dia no trânsito! Isso significa 25 dias por ano ou 5 anos ao longo da vida! Já imaginou o que seria possível fazer neste tempo?

Um fato curioso sobre o trânsito é que ao colocar um carro na rua, além de perdermos o nosso tempo, também prejudicamos o resto da sociedade, pois aumentamos ainda mais o volume de veículos circulando. Além disso, o estresse com procura de vagas na rua, o gasto com combustível, estacionamento e IPVA tornam o carro um investimento ideal apenas para situações específicas. Você já se perguntou qual é a melhor forma de transporte no seu dia a dia? Já imaginou que dependendo da sua opção você ainda pode ajudar o tráfego da sua comunidade a fluir melhor?

Mais sustentabilidade e mais tranquilidade

Os problemas não se limitam ao trânsito. Uma crítica feita aos veículos tradicionais das grandes cidades é a matriz energética a base de gases poluentes. Além de tornarem o ar mais sujo e provocarem um aumento em doenças respiratórias, a poluição também aumenta o calor armazenado nos espaços urbanos, sendo grande responsável pelo aquecimento global. Além do ar, esses veículos também são poluidores sonoros, aumentando o caos e os níveis de estresse nas cidades. Talvez buscar novas formas de se locomover seja uma resolução transformadora para 2019.

 

Leave a Comment

Mais Recentes