HomeMundo Lev

O amor é o caminho!

O destino, brincalhão, resolveu juntar Marcela e Renné da forma mais inusitada possível ao levar o diretor de arte até uma entrevista na empre

É possível transformar o caos das grandes cidades?
Confira 5 dicas para preservar a sua bicicleta elétrica
Mobilidade através do tempo

O destino, brincalhão, resolveu juntar Marcela e Renné da forma mais inusitada possível ao levar o diretor de arte até uma entrevista na empresa onde ela trabalhava. E, logo na primeira reunião, a conexão entre os dois fluiu tão bem que, após o dia de trabalho, eles já saíram para aquele choppinho. 😉

Como toda boa história de amor corporativo, no início eles esconderam o lance e mantiveram o romance em segredo até terem a certeza que o casal era uma realidade. E sim! Tornou-se: a melhor, mais bonita e conectada de todas elas. De lá para cá já são cinco anos de conexões, chopes e parcerias.

Segundo eles mesmos, a convivência no trabalho apenas potencializou o casal e, a partir daí, eles viraram uma dupla super unida. Renné virou sócio do negócio e a parceria virou casamento.

Uma vida de experiências

E não é só no trabalho que Renné e Marcela são feitos um para o outro. Todos os anos, em seus respectivos aniversários, o casal tem o costume de, muito mais do que simples presentes, promover uma “experiência”. Isso mesmo. O objeto passa a ser algo simbólico quando o que realmente vai importar é o que o outro vai sentir. Legal, né? Renné, inclusive, já levou sua esposa a um curso de respiração para ajudá-la a parar de fumar. <3

A parceria dentro e fora do trabalho fizeram com que eles se conhecessem incrivelmente. Mas, no dia do aniversário de Marcela, Renné estava em um dilema: como presentar uma mulher independente e cheia de personalidade e, após tantos anos juntos, ainda surpreendê-la? Por sorte, ele sabia do desejo de Marcela por uma Lev, mas não poderia ser somente a bike, para uma mulher igual a Má, era necessário muito mais!

Pensa daqui, calcula de lá, chama a galera e pronto! O esquema estava montado!

Ela estava em São Paulo a trabalho. Ele no Rio de Janeiro com o relógio contra seu favor.

Mais do que prontamente, passou na loja da Lev de Botafogo e quando achou que tudo estava resolvido… A única bike disponível era: ROSA. Marcela não é uma mulher de rosa. Se você está lendo esse artigo e conhece a Marcela, entenderia a preocupação de Renné com a cor.

Eureka!

Porém, nem tudo estava perdido. Um momento “eureka!” aconteceu e a solução apareceu da melhor forma possível: com a ajuda dos amigos.

Há alguns meses, Renné e a Má se mudaram para um cantinho lindo em Santa Teresa e a casa possui diversos mimos criados pelo artista e amigo Wolmin Dahgrota, que foi um dos responsáveis por deixar este evento tão especial.

Para completar a surpresa, ele comprou uma passagem sem ela saber e embarcou para São Paulo para surpreender a esposa no dia de seu aniversário, enquanto a cunhada buscava a bike e Wolmin vinha de Minas Gerais para produzir a obra dos amigos.

Como uma pequena amostra do presente, ele leva a Sampa um caderninho e a plaquinha “Respeite um carro a menos”. A reação de Marcela?

“Renné, você vendeu meu carro?!”

Mas, não. Seguido da plaquinha, ela teve uma boa surpresa: PARABÉNS, VOCÊ ACABA DE GANHAR UMA E-BIKE. <3 <3 <3 <3 <3

Felicidades e corações a mil, mas, e a cor da bicicleta? Qual era? Qual o modelo? Onde estava? Por que ela não poderia ver? Se nem René saberia o que iria sair daquela louca (porém romântica) experiência, como ela poderia?

Conversa vai, conversa vem, desenrolo feito, a surpresa teria de esperar. Voltam os dois para o Rio de Janeiro e, ao chegar em seu local de trabalho, está lá ela linda e única: a Lev da Marcela!

Muito mais que uma bike

Uma bike versão exclusiva para alguém igualmente única.

A gente acredita que o caminho é a felicidade e histórias como a de Renné e Marcela nos fazem crer ainda mais nisso. Não é apenas aonde se quer chegar, é como se chega. O esforço e dedicação desse episódio lindo é a maior prova de que “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, né?

E um último relato?

Marcela sempre dizia para o amado: “Só vou te dar um Fusca quando você me der uma Lev.”

Então, atenção senhoras e senhores, podem anotar que o René em breve será um motorista de fusca pelas ruas do Rio de Janeiro.

Contem com a Lev para criar e fazer parte de narrativas assim: emocionantes, alegres e cheias de cor! E confiram um pouco da produção dessa incrível bicicleta. 😉

Publicação recente

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
DISQUS: 0